Hey Mr. DJ…

“Antes da noite as bichas ficavam escondidas.”

Depois de uma longa conversa pelo Facebook e uma espera de alguns meses, além de um furo no primeiro encontro, por parte dele, finalmente nos encontramos. O local combinado foi a lanchonete Estadão, um dos lugares mais famosos e tradicionais da cidade de São Paulo. 

De repente, ele chega com uma aparência de estar ansioso e suando. Está bebendo água em uma garrafa comum de água mineral. Ele me faz um sinal pela janela da lanchonete e pede que eu saia. Eu pago meu café e saio para cumprimentá-lo. Ele sorri e me abraça. Pede para irmos à pracinha ao lado da biblioteca Mario de Andrade, na Rua da Consolação. Para “encontrar um lugar bucólico”, como ele mesmo diz.

Mauro_4
“Antes da noite as bichas ficavam escondidas.” (Foto: divulgação)

Mauro Borges é um homem alto, está de camiseta regata branca, aquelas do tipo que usamos para ir à academia. Usa calça esportiva, tênnis e um boné. Naquela tarde, eu estava prestes a entrevistar um dos personagens mais importantes da noite paulistana. Ele, como DJ, tem 28 anos de carreira, participou e administrou os principais clubes mix da cidade de São Paulo na década de 80 e 90. Como o Nation, nos anos 80, o Massivo, nos anos 90, e depois o Disco Fever que se torna uma festa itinerante nas décadas seguintes. Foram casas que construíram o cenário paulistano de festas, comportamento e até linguajar entre o público gay e os frequentadores em geral da noite na cidade.

Continue Lendo “Hey Mr. DJ…”

Uma drag com glamour

Kaká Di Polly é uma lenda viva das noites de festa glamorosas na cidade. Uma drag irreverente, de tal maneira, que talvez a noite gay, dos anos 1980, não tivesse as mesmas histórias. São memórias que mesmo depois de tanto tempo ainda valem a pena de serem ouvidas ou lidas, e assim elas mantêm os personagens que aqui existem, nesse planeta chamado São Paulo.

Kaka_1_divulgacao
Kaká Di Polly também inspirou seu visual na drag ícone, Divine.

Nossa entrevista foi em uma noite de sábado, no centro da cidade, foi em um lugar chamado Dick Bar, um nome sugestivo. Na porta, há um rapaz de aparência de vinte e poucos anos, usando apenas uma sunga branca e com um pouco de purpurina pelo corpo, ele era quem acertava a entrada do bar de garotos strippers.

Continue Lendo “Uma drag com glamour”

A voz da Juventude na Parada LGBT

No último sábado, 11, houve o encontro com os organizadores da 21ª Parada LGBT de São Paulo. Aberto ao público, na sede da União Geral dos Trabalhadores, o debate colocou em pauta a representação de diversas camadas sociais e culturais que devem ganhar destaque durante o evento. A reunião contou com uma sala bem cheia, cafezinho e discussões bem fortes.

Estavam presentes os coletivos das transsexuais, os representantes de grupos de homens gays e bissexuais, o coletivo das mães pela diversidade, movimento das mulheres lésbicas, dentre outros movimentos que tocaram em temas como religião, discriminação dentro e fora da comunidade LGBT, além de discutir como o tema da Parada, neste ano a mensagem é sobre “estado laico”,  será abordado e de que maneira sugerir o debate de forma que não agrida outros grupos, mas ao mesmo tempo revele a intenção de luta por uma sociedade mais igualitária com respeito ao próximo.

O grupo de Jovens, de 18 a 29 anos, esteve no encontro para apresentar propostas que mostrassem as ações que o público jovem se preocupa em repassar para as novas gerações de gays, lésbicas e transsexuais. Uma das ações sugeridas pelo coletivo é a campanha a respeito da contaminação pelo vírus HIV, dados oficiais do Ministério da Saúde apontam que homens gays, entre 15 a 24 anos, representam o extrato mais vulnerável em relação ao crescimento do número de novas infecções pelo vírus através de relação sexual.

Outras pautas sugeridas pelo grupo da juventude são a campanha por representação de deficientes físicos LGBT, transsexuais que precisam lidar com estas questões precocemente dentro da própria casa, além das questões sociais como a visibilidade de gays, lésbicas, bissexuais, dentre outras identidades que moram nas periferias de São Paulo e precisam ter alcance das informações e ações que estão sendo tomadas para com a comunidade.

O coletivo da juventude chamou à atenção dos mais velhos que estão vendo suas discussões com relação a cidadania sendo repassadas e discutidas cada vez mais cedo.

IMG_20170311_160708040_TOP.jpg
GT da Juventude
IMG-20170310-WA0014 (1)
Símbolo do grupo de representação juvenil na Parada LGBT de São Paulo