Masculino e Feminino

“A gente nunca tá fora do nosso meio social, eu sou mais um jovem confuso, mais um jovem acomodado, ignorante, apático, assim como você.”

Meu entrevistado é uma das drags que participou do programa Academia de Drags (2014), atração inspirada no programa americano RuPaul’s Drag Race (2009). Ele, ao longo dos anos, teve diversas referências, uma delas é a drag ícone cultural, RuPaul. Atualmente, meu convidado vive o novo boom das drags em São Paulo. Não é muito difícil encontrar oficinas sobre esse universo pela cidade, o conteúdo programático inclui ensinar como se maquiar, dançar e selecionar vestuário. São verdadeiras academias que ganharam as páginas dos jornais, a TV e os canais do YouTube.

“A gente nunca tá fora do nosso meio social, eu sou mais um jovem confuso, mais um jovem acomodado, ignorante, apático, assim como você.” (Foto: Yasmin Sandrini/ Beatriz Zago)
“A gente nunca tá fora do nosso meio social, eu sou mais um jovem confuso, mais um jovem acomodado, ignorante, apático, assim como você.” (Foto: Yasmin Sandrini).

Continue Lendo “Masculino e Feminino”

No sofá da Biá

“As pessoas iam para ver o show, pela curiosidade de saber o que era e como era um homem vestido de mulher.”

Ele diz que sempre foi gay desde criança, assume que sempre teve instinto homossexual. Ele confessa que tinha tesão pelo gerente do lugar, achava o sujeito uma graça e investia em tentativas para se aproximar dele. O primeiro rapaz que ele conheceu estava em um cinema do bairro do Tatuapé, na Zona Leste de São Paulo. Certa vez, em uma de suas idas ao cinema, a luz acabou. Ele permaneceu em sua poltrona, as luzes voltaram a acender, ele olha para trás e percebe um homem que lhe chama à atenção. “Credo, que homem feio!” – Foi seu primeiro pensamento ao olhar para pessoa que estava no mesmo recinto. “Tem coisas que são interessantes, você olhar para trás, numa multidão e a pessoa te chamar à atenção por ser feio.” – ele comenta.

“Tem coisas que são interessantes, você olhar para trás, numa multidão e a pessoa te chamar à atenção por ser feio.” (Foto: Acacio Brindo/ Eduardo Moraes)
“Tem coisas que são interessantes, você olhar para trás, numa multidão e a pessoa te chamar à atenção por ser feio.” (Foto: Acacio Brindo/ Eduardo Moraes)

Continue Lendo “No sofá da Biá”

Ele não é o Rei da Noite

“São Paulo não tem paisagem. São Paulo tem paisagem humana, as pessoas formam o mais interessante de São Paulo.”

Eu buscava investigar sobre quem investe nessas boates como a YachtLions e até mesmo o extinto Vegas, lugares não exclusivamente gays mas que os gays estão muito presentes. Nos anos 70, Elisa Mascaro foi uma das pioneiras em administrar clubes gays, como a boate Medieval, na Rua Augusta em 1971. Hoje, há um homem de 41 anos, apelidado de “Rei da Noite”, investindo em negócios que os gays, na maioria elitizados, frequentam e gastam boa parte do dinheiro deles. Mas quem é esse homem?

"Tem pessoas que transam com pessoas do sexo oposto que se alinham muito mais à estética de existência gay" (Foto: Facebook)
“Tem pessoas que transam com pessoas do sexo oposto que se alinham muito mais à estética de existência gay” (Foto: Facebook)

Continue Lendo “Ele não é o Rei da Noite”

Jesus é puta

“Eu tô cagando. Eu sou puta, eu sou puta. – ele afirma categoricamente e em voz alta. – Eu quero amar quem eu quero, eu quero foder com quem eu quero, eu quero ter uma relação fechada se eu quiser, aberta se eu quiser, eu quero não ter nenhuma relação se eu quiser. Eu não quero ninguém dizendo pra mim o que eu tenho que fazer.”

Estou na Rua Dr. Vieira de Carvalho, no Centro da cidade, República. Eu chego em frente ao local combinado, o café Spazio Gastronomia. Ainda resta meia hora, de acordo com o horário combinado, às 15:00 horas. Decido ligar para avisar que cheguei. Ele atende e pergunta qual é o horário combinado. – o tom de voz dele parece aborrecido com meu chamado. – Eu respondo que apenas liguei para avisar que cheguei ao café e que estou à sua espera. Ele diz que estará no local no horário.

Espero mais um pouco e finalmente, depois de mais 15 minutos ele chega de táxi à porta do café. Nós nos cumprimentamos, ele parece sério demais. Vamos até o balcão, ele pergunta o que quero beber e paga as duas garrafas de água com gás que pedimos, ele pede que a atendente abra e despeje o líquido em um copo com limão.

Já sentados à mesa, eu já me coloco em posição de começar a entrevista. Olhando bem seu rosto, percebo algumas rugas, ele é bastante calvo, praticamente careca, usa óculos com uma armação moderna e tem uma pele bem branca. Em seu pulso um relógio de pulseira verde. Estatura mediana, gordo e com muitos pelos nos braços. A testa dele está suada e ele tenta conter o líquido de forma discreta. É um dia de sol forte e muito calor na cidade.

Vou deixar aqui. – eu digo enquanto aproximo do meu entrevistado o meu gravador.

– Melhor você testar antes, porque pode ter interferência. – ele me alerta para o ventilador barulhento que está ao nosso lado perto do bar

– Não, ele consegue captar mesmo assim. – eu o tranquilizo.

– Ah, ainda bem.

Ele parece me observar com um olhar bastante desconfiado.

"Eu tô cagando para 'Barbie', para 'Urso'." (Foto: Facebook)
“Eu tô cagando para ‘Barbie’, para ‘Urso’.” (Foto: Facebook)

Continue Lendo “Jesus é puta”

Almoço em Higienópolis

“eu sou paulistano eu adoro a cidade, mas eu acho muito triste, pode ser muito dura, pode ser muito chata e eu acho que de noite ela, milagrosamente, se transforma num lugar pra todos.”

Estou correndo em meio a Rua Mato Grosso, no bairro de Higienópolis, atravesso uma feira de frutas e verduras. A preocupação me toma, não quero me atrasar para mais uma entrevista. É uma tarde ensolarada na cidade e faz um pouco de calor. Finalmente chego e avisto o número 412, subo as escadas da entrada do restaurante, na porta há um garçom que, de modo prestativo, me dá as boas-vindas. Eu indico que tenho uma entrevista marcada às 13 horas com Cacá Ribeiro. Ele sorri e me acomoda em uma das mesas, gentilmente pergunta o que desejo. Eu apenas sorrio e digo que não quero nada.

Eu estava admirando o lugar que possui bastante requinte, na verdade não pedi nada porque eu não sabia se poderia pagar a minha água ou o meu café. Preferi esperar meu entrevistado e pensar que talvez ele me oferecesse algo para beber.

"Crítica é crítica, inveja é inveja" (Foto: Universo AA).
“Crítica é crítica, inveja é inveja” (Foto: Universo AA).

Continue Lendo “Almoço em Higienópolis”

Som fugaz

Eu toco o interfone do escritório dele. Uma voz feminina responde e eu digo que tenho uma entrevista marcada com ele. A voz pede que eu aguarde. Os minutos se passam e nada. Eu toco novamente o interfone e a mesma voz atende, eu repito que tenho uma entrevista e o portão se abre.

Uma garota negra, com um visual bem moderno me recebe e me direciona até a sala dele. Eu e ele, finalmente, nos encontramos. Roque Castro tem 46 anos, paulista, além de DJ na noite paulistana, ele também é dono de uma agência de maquiadores e cabeleireiros. A sala em que ele me recebe é ampla, iluminada, paredes brancas e observo alguns objetos de academia sobre uma estante na parede.

Como DJ ele toca nas boates Lions e Yacht, as duas casas estão localizadas no centro de São Paulo, elas são lugares recentes, famosos, divertidos e caros. De vez em quando, ele ainda toca na icônica boate A Lôca, em funcionamento desde os anos 90, precisamente desde 1995, Roque trabalhou lá por dez anos.

Roque Castro entre botões (Foto: Facebook)
Roque Castro entre botões (Foto: Facebook)

A carreira de Castro é extensa, ele começou como “caixa de saída”, posteriormente como promoter, da boate Massivo, o extinto clube dos anos 90 que foi coordenado por Bebete Indarte e Mauro Borges, dois personagens e empreendedores marcantes da noite gay paulistana. Roque Castro também trabalhou no Latino, outro clube dirigido por Bebete Indarte, além de ter atuado, segundo os registros, no primeiro afterhours do Brasil, o Hell’s Club (anos 90).

O meu entrevistado passou pelos anos 80, uma época em que no Brasil, pintar o cabelo, de forma extravagante, mesmo em São Paulo, chamava muito à atenção. Nos anos 90, Roque testemunhou o modo libertário que a juventude tinha dentro e fora das boates, além de expressarem suas ideias nas roupas, como extensão do pensamento, e mesmo com o apogeu da Aids, as pessoas não deixaram de sair e se encontrarem. A noite paulistana nunca se rendeu.

Continue Lendo “Som fugaz”