Passando o cheque

Era o segundo encontro com o Adriano. Estávamos num motel ouvindo um cd que eu havia feito com músicas que eu gostava. Tinha Marisa Monte e alguns artistas indie. Antes de me encontrar pela segunda vez, uma semana depois, com o homem que tinha o meu nome, eu infernizei meus amigos e vivi uma grande ansiedade. Contei a eles sobre o mestiço, o quanto ele era lindo, um pouco misterioso, engraçado e inteligente. Fiquei apavorado por ele não ter me ligado desde a primeira vez que nós nos vimos. Achei que não o veria mais, até que meu celular chamou quando eu estava na casa de um amigo. Era o meu cara  me convidando para sair. Arrumei-me e o fiz esperar por duas horas. Nesse dia, o Adriano estava gripado. Isso me deixou intrigado  e imaginei que talvez ele pudesse estar com alguma doença grave. Eu pensava: “será que ele tem aids?”.

Qualquer espirro me matava de angústia. Havia um peso na minha consciência por ter feito sexo sem camisinha com ele na primeira vez.

Durante o encontro, tudo parecia bem, com exceção da discussão que tivemos antes de transar sobre usar ou não camisinha. A conversa se resumiu em: “você tem algo?”,  perguntei. Ele respondeu prontamente: “não, só faço isso com quem me passa confiança e eu confio em você!”. E estupidamente, eu caí nessa de novo e fizemos sem. Não sei o que houve comigo, mas não consegui manter minha opinião a respeito de transar com preservativo.

No meio da foda, depois de algumas metidas pude sentir que havia feito algo de “errado”. Sim, meus caros, passei um cheque. Naquele momento, senti-me morrendo. Ele não fez comentários, levantamos e tomamos um banho, nos beijamos e ninguém tocou no assunto. Fizemos de novo e nada de “errado” aconteceu. Fomos embora. Depois dessa noite, minha imagem com um homem, nós dois nus e cagados não saiu da minha cabeça. Fiquei decepcionado. Dessa vez, tinha a certeza de que não o veria mais. Estava tudo ótimo, cerveja, música boa e um motel sensacional. Eu só não deveria ter feito aquilo, transado sem camisinha e depois cagado no pau do cara.

Imagem internet
Imagem internet

Contei ao Alisson, um amigo da faculdade, estudante de jornalismo, 21 anos. Ele ouvindo, disse para eu não me preocupar. Isso passaria desde que eu não tivesse exagerado. Eu perguntei: “como assim?”. Então, ele me contou que uma vez saiu com um cara muito gato, eles foram para um hotel na Consolação. Meu amigo estava adorando comer o cara, só que o sujeito deveria estar mal do estômago. Quando o Alisson gozou e tirou o pau, veio uma pancada de cocô. Foi nojento e constrangedor para os dois. Eles nunca mais saíram. Alisson me tranquilizou dizendo que se foi um acidente pequeno, tudo bem, aliás, é normal. Depois de ouvir esse depoimento tão sincero, me pergunto se exagerei. Existe um limite permitido para se passar um cheque?

Martirizei-me por semanas. Li todos os artigos a respeito na internet. Prefiro ser passivo, naturalmente algum dia passaria o cheque. Só não esperava que fosse com o Adriano. Sempre penso que as minhas noites de sexo serão iguais às dos filmes pornôs. Mas isso não existe. Eu vivo o real, situações reais.

Imagem internet
Imagem internet

Meses se passaram e não vi mais o Adriano. Eu gostava da unha escura do dedão dele e até dos resquícios de nicotina nos seus dentes. Ele não parecia incomodado com sua aparência, nem estava em dilema com sua identidade e modo de agir. Enquanto eu, não passo de um garoto com uma baixa autoestima tremenda, a ponto de levar mais a sério o fato de “passar um cheque” do que não ter usado camisinha na relação.

Vítima, eu? Sim, da minha própria insegurança.

Autor: Adriano Sod

A cada dia, eu me permito descobrir um pouco mais de mim!

12 comentários em “Passando o cheque”

  1. Não há porque não se aceitar, inteligência e coragem são qualidades cada vez mais difíceis de se encontrar.

    Você está de parabéns!!!

    +Beijos!

  2. Hahahaha…só você mesmo meu caro “brother indie” ! Parabéns pelo texto, já te disse algumas vezes, mas vai aqui outra vez: você escreve muito bem ! E viva a chucaaaaa ! rs

  3. Oi oi moço 🙂

    Meu parabéns pela abordagem do tema e pelo depoimento, é algo muito delicado mesmo, para muitos e para mim inclusive. Eu sempre morri de medo disso acontecer e como você, sempre tento estar sempre 100%, limpo dos pés a cabeça, viso agradar quem estiver comigo porém nessas esqueço que não há ninguém perfeito. Quantas vezes eu todo lindo e cheiroso e ai o cara abaixa a cueca e aqueles pelos sem aparar e as vezes aquele cheiro “característico” do homem. Brocha? Brocha mas se eu não me sentir bem comigo mesmo eu não consigo relaxar…Já me aconteceu mini acidentes tbm e é como um amigo mais velho diz “Shit happens”…afinal certas coisas não foram feitas pra serem dadas huahahaha 😉

  4. Faz apenas algumas poucas semanas que sigo seu blog e achei muito interessante.
    A forma como você aborda assuntos como esse, numa socedade preconceituosa como a nosssa, é sensacional e estimulante.

    Quando crescer, quero ser destemido que nem você.

    Parabéns!

  5. Fala rapaz, depois do encontro de sábado vim aqui ler o último post e adorei. Como o pessoal comentou parabéns por ter tocado nesse assunto tão delicado que é o cheque. Ninguém é perfeito, todo mundo vai passar ou já passou e não é o fim do mundo. Acontece, por mais que a gente fique morrendo de vergonha na hora rsrs….

    Como os amigos já disseram, você escreve muito bem.
    Beijos e até mais.
    😉

  6. Algumas observações sobre a chuca. Certifique-se de ter expelido todo o líquido senão a coisa pode ficar pior do que se não tivesse feito. Quando as fezes estão duras e numa quantidade pequena no reto, o pênis mesmo se encarrega de deixá-las de lado e não há problemas. Geralmente o cheque acontece quando o pênis vai muito no fundo e há fezes moles na ampola retal. A posição cavalgada e de quatro costumam facilitar o cheque.
    Não dá para ficar usando chuca todo dia né e nunca, nunca, use algo que não seja simplesmente água.
    Um truquezinho é colocar o dedo para sentir se o caminho está livre.
    Sem camisinha há um risco razoável do pênis contaminar-se com as fezes e rolar uma uretrite. Se tiver ardência, vá logo ao médico antes que as coisas piorem.

  7. realmente esse assunto e o facto, na minha opniao deviamos nos preparar e informamo nos a respeito, dos riscos para q tenhamos uma relaçao saudavel. no meu caso tou muito aflito com desejo de encontrar o cara certo para relacionamento e sexo tbm, e nao sabia quase nada sobre o cheque agora sei e vou me preparar melhor so nao sei como pq sou ativo. se tiver dica para ativo ficarei grato.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s